segunda-feira, 29 de julho de 2013

População não consegue comprar bilhetes de trem da EFC

12/12/2012 - G1 PA

Os moradores de Parauapebas, no sudeste do Pará, que desejam passar o final do ano no estado do Maranhão e querem viajar de trem, estão sendo obrigados a dormir na fila para tentar conseguir uma passagem. A demanda aumenta consideravelmente devido às festas de natal e ano novo, e quem deixou pra comprar as passagem em cima da hora, tem enfrentado dificuldades.
Para a dona de casa Jaqueline Félix, passar o natal e ano novo com a família é uma tradição da qual ela não abre mão. Mesmo grávida de seis meses, ela enfrentou a fila em três dias diferentes.

"Para quem quer viajar, quem quer ficar com a família no natal, tem que enfrentar as filas", comenta.

O pedreiro Marcos de Souza, a esposa e as filhas, não veem os parentes há três anos. A saudade da família fez com que Marcos permanecesse dois dias na fila. "O sacrifício para a gente ver os familiares é grande, mas a gente tem que fazer o que eu fiz agora", afirma.

As passagens de trem na linha Parauapebas/São Luís (MA) aumentou em função do período de festas de final de ano. O trem possui capacidade para mais de 900 passageiros e faz a rota de quase mil quilômetros até a capital maranhense às terças, sextas e aos domingos, percorrendo por 14 estações.

A demanda crescente fez a empresa responsável pela ferrovia aumentar a quantidade de vagões. Ainda assim, comprar passagem pode ser uma tarefa difícil. Para tentar comprar o bilhete, algumas pessoas passaram até três dias na fila. Na tentativa de evitar o tumulto, os próprios passageiros tiveram que tomar a iniciativa de improvisar senhas. "Nós estamos aqui desde domingo.

Quando não foi possível tirar [as senhas] para o dia 23, eu peguei logo do início e distribuí uns cartões meus de mototaxi, colocando a senha atrás de cada um, e agora, graças a Deus, está conseguindo tirar [as senhas] direitinho", explica o mototaxista Josiel de Oliveira.

De acordo com a empresa da ferrovia, não está mais ocorrendo a venda de passagens para o Maranhão e o atendimento só deve retornar no próximo dia 25.

Sudeco reabre edital do trecho entre Luziânia e Brasília

17/06/2013 - Revista Ferroviária

A Sudeco (Superintendência do Desenvolvimento do Centro-Oeste) publicou no dia 16/06, a reabertura do edital para contratação de empresa para prestação de serviços técnicos e especializados de engenharia e arquitetura para elaboração de estudo de viabilidade técnica e econômica, operacional e ambiental, de inserção urbana e projeto funcional para implementação de serviço de transporte ferroviário de passageiros entre o Entorno do Distrito Federal e o Distrito Federal, no trecho ferroviário entre as cidades de Luziânia/GO e Brasília/DF, com o valor total estimado de R$ 1.839.111,30.

O documento está disponível para download no site da Sudeco (www.sudeco.gov.br) ou no link abaixo:
http://www.sudeco.gov.br/c/document_library/get_file?uuid=c3ca623d-1594-4d89-b8de-6c0b39eabb50&groupId=94855


Fonte: Revista Ferroviária
Publicada em:: 17/06/2013

sábado, 27 de julho de 2013

Governo muda projeto e trem-bala agora será obra pública

28/06/2013 - Folha de S. Paulo

O governo federal alterou as regras de concessão do projeto do trem-bala, em resposta a críticas que ganharam força com a recente onda de protestos em todo o país. A intenção é reduzir a possibilidade de uso de dinheiro do Orçamento no projeto.

A estimativa atual é que o projeto custe R$ 35 bilhões (valores de 2007).

A construção e a administração da linha e das estações não serão mais concedidas à iniciativa privada, como estava previsto para ocorrer em 2014. Os 511 quilômetros de linha, com suas pontes e túneis, serão objetos de uma licitação de obra pública, dividida em cerca de dez lotes.

Pelo modelo anterior, a empresa que vencesse a concessão receberia o pagamento pelo serviço ao longo de 35 anos, após ter construído a linha e as estações, e poderia fazer a exploração imobiliária da estação e arredores.

O dinheiro usado pelo governo para pagar a obra seria levantado com parte do pagamento das passagens cobradas dos usuários.

PAGAMENTO ADIANTADO

Pelo novo modelo, o governo pagará pela obra antes da operação do trem.

Para isso, pretende ir ao mercado bancário para antecipar o recebimento previsto das passagens.

Outra parte do pagamento virá da exploração do potencial imobiliário.

A intenção do governo é firmar acordo com as prefeituras das sete cidades que terão estações para que, juntos, vendam o direito de exploração comercial das estações.

Como isso será feito depois que o trem estiver pronto, a avaliação é que governo ganhará mais.

Outra vantagem apresentada pelo presidente da EPL (Empresa de Planejamento e Logística), Bernardo Figueiredo, é que a obra pública poderá ter uma estimativa de preço mais baixa que a de uma concessão.

Essa lógica é completamente oposta à que o governo apresentava até 2011, quando tentou leiloar o trem-bala sem sucesso.

Naquela época, o argumento dos técnicos era que a concessão seria mais vantajosa porque uma obra pública não ficaria pronta em prazo adequado e poderia ter seus orçamentos estourados, o que é praxe nas grandes obras de governo no país.

O novo modelo é mais próximo do que defendiam grandes empreiteiras nacionais, a quem o governo responsabilizou pelo fracasso do leilão anterior. Elas alegavam que não poderiam assumir o risco de um projeto tão complexo e que ele deveria ser feito como obra pública.

Ao apresentar o novo modelo do trem de alta velocidade, Figueiredo argumentou que ele reduz a possibilidade de gasto orçamentário.

O presidente da EPL rebateu as críticas, apresentadas pela oposição, de que o trem-bala será feito às custas de obras de transporte urbano, como metrôs.

"Nossa intenção é fazer esse projeto com dinheiro do Orçamento próximo de zero", afirmou Figueiredo.

A falta de obras nas cidades não decorre, segundo ele, da falta de recursos, mas da ausência de um número suficiente de projetos.

Fonte: Folha de S. Paulo
Publicada em:: 28/06/2013

ANTT aceita sugestões para traçado da ferrovia entre MS e Paranaguá

15/07/2013 - Gazeta do Povo

Sugestões para o traçado da nova ferrovia que vai ligar Maracaju (MS) a Paranaguá (PR) podem ser enviados para o site da Agência Nacional de Transportes Terrestes (ANTT) até o fim do mês. Nesta sexta-feira (12), os técnicos da ANTT receberam contribuições de entidades de classe, empresas, representantes de setores público e privado e prefeitura do Paraná. Eles discutiram também o traçado de uma ferrovia entre Mairinque (SP) e Rio Grande (RS), que vai atravessar o Paraná.

As contribuições que forem consideradas pertinentes serão incorporadas ao projeto. Depois serão realizadas audiências públicas para apresentação do modelo de edital e tomada de novos subsídios. Os planos de outorga devem ser elaborados ainda este ano. O projeto de concessão será enviado ao Tribunal de Contas da União e depois irá a leilão.

Ferrovia

A ferrovia de Maracaju a Lapa (que depois seguirá até Paranaguá) tem 989 quilômetros e passa por 33 municípios, sendo 25 no Paraná, segundo a ANTT. A obra é estimada em R$ 7,3 bilhões e deve demorar cinco anos para ficar pronta. Entre Lapa e Paranaguá, o trecho terá 150 quilômetros e passa por oito cidades. O tempo de implantação estimado é de dois anos, com custo de R$ 1,5 bilhão.

O pacote de investimentos do Governo Federal, anunciado em 2012, é de R$ 100 bilhões e contempla 11 mil quilômetros de ferrovias no Brasil. Os projetos entram novo modelo proposto pelo governo em que as operadoras vão cobrar uma espécie de pedágio para os trens.

No primeiro projeto apresentado pelo Governo Federal, a linha desviava da cidade de Mafra até o litoral de Santa Catarina. O governo do estado e representantes da sociedade e de empresas pressionaram o governo para que o traçado passasse de oeste a leste pelo Paraná.

ANTT promove reuniões sobre ferrovia Salvador-Recife

28/06/2013 - ANTT

Duas reuniões participativas serão realizadas na próxima semana em Feira de Santana/BA (segunda-feira) e Recife/PE (quarta-feira) vão discutir o projeto do traçado do trecho ferroviário entre Feira de Santana e Ipojuca.

Em Feira de Santana, a reunião será realizada no dia em 1º de julho ocorrerá de 14 às 18h, no Hotel Ibis, na rua Coronel José Pinto dos Santos, nº 700 – Bairro São João.

Em Recife, a reunião será no dia 03 de julho, entre 14 e 18h no Recife Praia Hotel, na Avenida Boa Viagem, nº 9 – Pina.

Esse trecho ferroviário integra o Plano de Investimento em Logística lançado pelo governo em agosto do ano passado. A ferrovia terá 893 km de extensão, cortando 37 municípios nos estados da Bahia, Sergipe, Alagoas e Pernambuco.

O ponto de partida localiza-se em Feira de Santana, onde será instalado o pátio de interligação com o trecho ferroviário Belo Horizonte (MG)-Salvador (BA). Em Ipojuca (PE) os trilhos farão ligação com a Ferrovia Nordestina.
A principal obra de arte desse trecho será a ponte sobre o rio São Francisco entre os estados de Sergipe e Alagoas, com extensão de 2.700 metros.

Na Bahia a ferrovia passará pelos municípios de Feira de Santana, Coração de Maria, Santanópolis, Irará, Ouriçangas, Aramari, Inhambupe, Crisópolis, Olindina, Itapicuru, Tobias Barreto, Poço Verde, Fátima, Adustina, Paripiranga, Coronel João Sá e Pedro Alexandre.

Em Sergipe os trilhos cortarão os municípios de Carira, Nossa Senhora da Glória, Monte Alegre de Sergipe, Porto da Folha e Poço Redondo.

Em Alagoas a ferrovia passará pelos municípios de Pão de Açúcar, São José da Tapera, Senador Rui Palmeira, Poço das Trincheiras, Maravilha e Ouro Branco.

Em Pernambuco serão atravessados os municípios Rio Formoso, Gameleira, Ribeirão, Sirinhaém e Ipojuca.

Fonte: ANTT
Publicada em:: 28/06/2013

Trem regional entra nos trilhos em 2014 na Grande BH

25/06/2013 - Estado de Minas

Estudos do ramal BH-Brumadinho-Eldorado devem ter consulta pública em julho. Demanda chega a 222 mil passageiros por dia

Pedro Rocha Franco

A Secretaria de Estado Extraordinária de Gestão Metropolitana (Segem) inicia no mês que vem o processo licitatório para retomada do trem regional. As empresas escolhidas para elaborar os projetos de engenharia do transporte sobre trilhos entregaram os estudos referentes ao lote 2 (ligação entre BH-Brumadinho-Águas Claras-Eldorado) e, segundo o cronograma, a consulta pública será iniciada em julho, com assinatura da concessão prevista para fevereiro de 2014. O investimento previsto é de R$ 600 milhões. Os demais lotes, em estudo pelo governo de Minas, têm atraso de três meses, o que significa que o mesmo processo será iniciado em outubro.

Os três projetos de trens de passageiros previstos para a Grande BH têm demanda de até 222 mil passageiros por dia, de acordo com estudo elaborado pelo Núcleo de Trânsito da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Segundo o professor da instituição Ronaldo Gouvêa, a demanda pode aumentar com o estabelecimento do transporte e a melhoria de certos indicadores. Para o estudo em questão, por exemplo, o tempo de viagem considerado é até 50% superior ao do ônibus e a tarifa igual ou inferior ao da linha executiva – se o tempo ou a tarifa baixarem, a demanda pelo modal pode crescer, mas é preciso estabelecer uma base para a comparação. Além disso, a projeção feita tem como base somente a transferência de uso de outros modais para o trem, mas muitos desconhecem o formato. "É difícil trabalhar sem ter um parâmetro de transporte", afirma o professor em relação à existência de apenas duas linhas regulares de passageiros no país. "Muitos associam o trem às marias-fumaças, mas o projeto é de trens modernos, como os eeuropeus, o que pode fazer com que muitos passem a usá-lo", afirma.

De acordo com o cronograma, até dezembro será feita consulta e audiência pública, análise do edital por órgãos de controle e, por último, a publicação do documento referente ao lote 2. Antes da publicação do edital, a Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) e a Empresa de Planejamento Logístico (EPL) assinarão convênio para regulamentar o transporte de passageiros sobre trilhos no estado. Segundo o diretor de Planejamento Metropolitano, Articulação e Intersetorialidade, Adrian Batista, falta apenas definição de agenda entre o governador Antonio Anastasia e os representantes dos órgãos para que seja selada a autorização, definindo também de que forma se dará a convivência com o transporte de carga. A expectativa é que em até dois anos os três trechos estejam em operação.

Outros lotes Quanto aos lotes 1 e 3 (Divinópolis-Betim-BH-Sete Lagoas e Belo Horizonte-Nova Lima-Conselheiro Lafaiete-Ouro Preto), o cronograma será atualizado. Uma empresa havia mostrado interesse em elaborar o estudo do lote 1, mas desistiu e não vai entregá-lo. Depois disso, a Segem conseguiu aprovação de verba do PAC da Mobilidade para elaboração do estudo. O governo federal destinou R$ 15 milhões para o projeto de engenharia. A ideia é que o estudo seja dividido em dois, ficando uma parte (Eldorado-Divinópolis) por conta da secretaria estadual e outra de uma empresa (Horto-Sete Lagoas).

Fonte: O Estado de Minas

ANTT publica tomada de subsídios para trecho do PIL

08/07/2013 - Revista Ferroviária

A ANTT publicou nesta segunda-feira (08/07), o aviso para tomada de subsídios do trecho do Programa de Investimentos em Logística (PIL) entre, Lapa (PR) e Paranaguá (PR). A ferrovia deve descer a Serra do Mar até a região dos portos aproveitando a faixa de domínio da BR-277.

Para conciliar todas as especificidades do caminho e ainda atender a alta produtividade desejada – a velocidade do trem na Serra do Mar deve saltar dos atuais 15 km/h para 60 km/h – o projeto prevê um total de oito túneis e seis viadutos ao longo dos 150 quilômetros de percurso. Estas intervenções, inclusive, devem ser responsáveis por 60% do custo da obra, ou R$ 1,3 bilhões de um total de R$ 2,2 bilhões.

Os documentos disponíveis sobre o trecho estão no site da ANTT – www.antt.gov.br -, juntamente com o formulário para envio das contribuições. Para o mesmo programa, a agência já divulgou abertura de tomada de subsídios para Mairinque(SP)-Rio Grande(RS), Feira de Santana (BA)-Ipojuca (PE), Maracajú (MS)-Lapa (PR), Lucas do Rio Verde (MT)-Campinorte (GO), Açailândia (MA)-Vila do Conde(PA), Estrela D'oeste (SP)-Dourados (MS), Rio de Janeiro (RJ)-Vila Velha (ES) e Uruaçu (GO)-Campos dos Goytacazes (RJ).

Ferrovia Sul da Transnordestina será desativada

17/06/2013 - Portal Transporta Brasil

A Ferrovia Sul, que liga Fortaleza (CE) à região do Cariri cearense, está em processo de desativação, que será concluído até o final de julho. A decisão foi tomada pela empresa Logística Transnordestina S.A. que administra a ferrovia e confirmou a suspensão das atividades do ramal sul que tem extensão de 600 quilômetros. Linha férrea está em atividade desde 1871.

A estação de trem da cidade de Iguatu, localizada na região Centro-Sul, e a unidade de carga ao lado do terminal da Petrobras, na cidade de Crato, estão mantendo funcionamento parcial com alguns servidores administrativos da empresa ferroviária.

Em nota, a concessionária informou que a malha substituirá a ferrovia atual no ramal Sul, e que por esta razão, e em função das interferências necessárias para a construção da nova ferrovia, o tran sporte de produtos encontra-se temporariamente suspenso nesse trecho.

Por conta dessa dessa decisão, provavelmente deverá ser o último a percorrer os trilhos o trem que irá transportar o milho doado pelo governo federal para o governo do Estado a fim de ser comercializado para os produtores rurais no Interior.

Estão previsto também que uma composição siga de Fortaleza até Arrojado, no município de Cedro, e de lá para o Estado da Paraíba, onde irá receber uma carga de minério de ferro, com destino ao Porto de Suape (PE). Após essas operações, o transporte ferroviário de carga pela linha Sul será desativado.

União suspende pagamento de R$ 800 milhões a Italplan

17/06/2013 - Agência Brasil

A Justiça italiana suspendeu uma cobrança de quase R$ 800 milhões (270 milhões de euros) da União e da Valec Engenharia, Construções e Ferrovias S.A. O valor é relativo a projetos para o trem-bala, que ligará as cidades do Rio de Janeiro, de São Paulo e Campinas.

O valor está sendo cobrado pela Italplan Engineering no tribunal de Arezzo, que fica na região da Toscana. Depois de várias decisões favoráveis à empresa italiana, a corte reconsiderou, entendendo que o pagamento deve ficar suspenso até que o tribunal máximo do país decida se o caso deve ser julgado por um juiz brasileiro ou italiano.

A Advocacia-Geral da União sustenta que o Estado italiano não tem o direito de decidir questões que envolvem a aplicação da lei brasileira de concessões, pois os serviços foram prestados no Brasil.

A disputa jurídica havia causado o bloqueio de contas bancárias do Itamaraty em agências da Itália. No Brasil, os pedidos de execução das sentenças aplicadas na Itália foram suspensas pelo Superior Tribunal de Justiça

Governo federal deve investir R$ 9 bilhões para implantar ferrovia entre MS e PR

27/06/2013 - Agência Notícias PR

A construção de uma ferrovia que vai ligar o município de Maracaju (MS) ao município da Lapa (PR) pode ter investimentos de até R$ 9 bilhões de reais. A ferrovia, que terá extensão de cerca de mil quilômetros, faz parte do Programa de Investimentos em Logística (PIL) do governo federal. A malha ferroviária passará pelo Mato Grosso do Sul e Paraná. O investimento vai atender uma importante região produtora de grãos do país.

Para o deputado estadual Elton Welter (PT), que está acompanhando o processo, o projeto da ferrovia "será um grande polo e um grande eixo de desenvolvimento tanto para o Paraguai, para o Paraná, quanto para o Mato Grosso [do Sul]. Essa ferrovia interligará importantes regiões produtoras do Sul de Mato Grosso do Sul e do Oeste do Paraná ao Porto de Paranaguá (PR). Fará, ainda, conexão com a Ferrovia Norte-Sul (FNS) e com a Hidrovia Tietê-Paraná. Todo o modal integrado, um processo integrado de logística".

O consultor de Logística de Infraestrutura da Federação das Indústrias do Estado do Paraná (FIEP), Mario Stamm, afirma que a ferrovia "é extremamente importante para a economia dos estados do Paraná e do Mato Grosso do Sul e viabilizará um corredor estratégico de escoamento de grãos".

Foram propostos e estudados três traçados para a construção da ferrovia. De acordo com a Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), o traçado escolhido - Alternativa I do estudo - possui uma extensão de aproximadamente 989 km e passará por 33 municípios, oito localizados no Mato Grosso do Sul e outros 25 no Paraná. Os estudos estavam para tomada de subsídio que é para receber contribuições e informações adicionais até o dia 21 deste mês.

"Com a implantação desse novo trecho ferroviário além de se superar esse gargalo existente, esse gargalo ferroviário, cria-se um a ferrovia moderna para o uso dos estados do Paraná e do Mato Grosso do Sul", salienta Stamm.No Paraná, de acordo com nota técnica da ANTT, a ferrovia passará pelos municípios de Guaíra, Terra Roxa, Nova Santa Rosa, Maripá, Toledo, Cascavel, Tupãssi, Catanduvas, Ibema, Guaraniaçu, Nova Laranjeiras, Campo Bonito, Laranjeiras do Sul, Cantagalo, Marquinho, Candói, Goioxim, Irati, Guarapuava, Fernandes Pinheiro, Inácio Martins, Palmeira, Porto Amazonas, Balsa Nova e Lapa.

Fonte: Agência Notícias PR
Publicada em:: 27/06/2013

quarta-feira, 17 de julho de 2013

ANTT inicia a tomada de subsídios para concessão de trecho ferroviário entre SP e RS

19/06/2013 - Ministério dos Transportes

Começou nesta segunda-feira (17/06) o prazo para o envio das contribuições aos estudos preliminares que vão disciplinar as regras da concessão à iniciativa privada do trecho ferroviário compreendido entre Mairinque/SP e Rio Grande/RS, projeto integrante do Programa de Investimentos em Logística (PIL), do governo federal. O anúncio da tomada de subsídios foi publicado pela Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), responsável pela iniciativa.

Com 1.667 quilômetros de extensão, esse ramal ferroviário se encontrará com a Ferrovia Norte-Sul e cortará 76 municípios. No estado de São Paulo, passará por Mairinque, Alumínio, Sorocaba, Votorantim, Salto de Pirapora, Araçoiaba da Serra, Capela do Alto, Itapetininga, Alambari, Capão Bonito, Guapiara, Ribeirão Branco, Nova Campina, Apiaí e Bom Sucesso de Itararé.

No Paraná, a ferrovia interceptará os municípios de Sengés, Doutor Ulysses, Jaguariaíva, Piraí do Sul, Castro, Carambeí, Ponta Grossa, Palmeira, Porto Amazonas, Balsa Nova, Campo do Tenente e Rio Negro.

Em Santa Catarina, o trecho ferroviário vai abarcar os municípios de Mafra, Itaiópolis, Papanduva, Monte Castelo, Major Vieira, Santa Cecília, Rio do Campo, Ponte Alta do Norte, São Cristóvão do Sul, Ponta Alta, Correia Pinto, Lages e Capão Alto.

No estado do Rio Grande do Sul, serão contempladas as cidades de Bom Jesus, Vacaria, Campestre da Serra, Muitos Capões, Ipê, Protásio Alves, Antônio Prado, Nova Roma do Sul, Veranópolis, Bento Gonçalves, Monte Belo do Sul, Santa Tereza, Roca Sales, Colinas, Imigrante, Estrela, Teutônia, Fazenda Vilanova, Taquari, Taba, Triunfo, Montenegro, Charqueadas, Eldorado do Sul, Guaíba, Barra do Ribeiro, Mariana Pimentel, Sertão Santana, Barra do Ribeiro, Sentinela do Sul, Camaquã, Cristal, São Lourenço do Sul, Turuçu, Pelotas e Rio Grande.

As contribuições podem ser encaminhadas até as 18 horas do próximo dia 12 de julho. Os interessados encontram o formulário eletrônico para o envio das sugestões e os dois relatórios dos estudos preliminares sobre o projeto na página da ANTT (Tomada de Subsídios nº 014/2013). A Agência também aceita as contribuições via postal que devem ser encaminhadas para o endereço: Setor de Clubes Esportivos Sul - SCES, lote 10, trecho 03, Projeto Orla Polo 8 – Brasília – DF, CEP: 70200-003.

Fonte: Ministério dos Transportes
Publicada em:: 17/06/2013

Ferrovia Sul da Transnordestina será desativada até o fim de julho

17/06/2013 - Portal Transporta Brasil

A Ferrovia Sul, que liga Fortaleza (CE) à região do Cariri cearense, está em processo de desativação, que será concluído até o final de julho. A decisão foi tomada pela empresa Logística Transnordestina S.A. que administra a ferrovia e confirmou a suspensão das atividades do ramal sul que tem extensão de 600 quilômetros. Linha férrea está em atividade desde 1871.

A estação de trem da cidade de Iguatu, localizada na região Centro-Sul, e a unidade de carga ao lado do terminal da Petrobras, na cidade de Crato, estão mantendo funcionamento parcial com alguns servidores administrativos da empresa ferroviária.

Em nota, a concessionária informou que a malha substituirá a ferrovia atual no ramal Sul, e que por esta razão, e em função das interferências necessárias para a construção da nova ferrovia, o tran sporte de produtos encontra-se temporariamente suspenso nesse trecho.

Por conta dessa dessa decisão, provavelmente deverá ser o último a percorrer os trilhos o trem que irá transportar o milho doado pelo governo federal para o governo do Estado a fim de ser comercializado para os produtores rurais no Interior.

Estão previsto também que uma composição siga de Fortaleza até Arrojado, no município de Cedro, e de lá para o Estado da Paraíba, onde irá receber uma carga de minério de ferro, com destino ao Porto de Suape (PE). Após essas operações, o transporte ferroviário de carga pela linha Sul será desativado.

Fonte: Portal Transporta Brasil
Publicada em:: 17/06/2013

segunda-feira, 1 de julho de 2013

ANTT faz reunião em Dourados (MS) para tomada de subsídio para ferrovia entre Maracaju (MS) e Lapa (PR)

21/06/2013 - ANTT

A Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) iniciou o processo de tomada de subsídio nº 009/2013 para obter contribuições aos Estudos Preliminares que se prestarão a reger o processo de concessão, à iniciativa privada, do trecho ferroviário entre Maracaju (MS) e Lapa (PR). A reunião, nesta sexta-feira (21), das 14h às 18h, será na Câmara dos Vereadores de Dourados (MS), Av.Marcelino Pires, 3495.

A ferrovia, que terá 989 km, atravessa 33 (trinta e três) municípios, dos quais oito no estado de Mato Grosso do Sul e outros 25 no Paraná.

Em Mato Grosso do Sul a ferrovia passará pelos municípios de Maracaju, Dourados, Itaporã, Caarapó, Amambaí, Iguatemi, Eldorado e Mundo Novo. No Paraná, a ferrovia interceptará os municípios de Guaíra, Terra Roxa, Nova Santa Rosa, Maripá, Toledo, Cascavel, Tupãssi, Catanduvas, Ibema, Guaraniaçu, Nova Laranjeiras, Campo Bonito, Laranjeiras do Sul, Cantagalo, Marquinho, Candói, Goioxim, Irati, Guarapuava, Fernandes Pinheiro, Inácio Martins, Palmeira, Porto Amazonas, Balsa Nova e Lapa.

A documentação completa relativa ao objeto da Tomada de Subsídios nº 009/2013 estará disponível, no sítio eletrônico da ANTT, www.antt.gov.br – Tomada de Subsídios nº 009/2013.

As contribuições por escrito poderão ser encaminhadas até às 18 horas do dia 21 de junho de 2013, por meio do preenchimento do Formulário de Envio de Contribuições, disponível no sítio eletrônico da ANTT (Tomada de Subsídios 009/2013), ou pelo encaminhamento, via postal, ao endereço da ANTT, cuja sede encontra-se localizada no Setor de Clubes Esportivos Sul - SCES, lote 10, trecho 03, Projeto Orla Polo 8 – Brasília – DF, CEP: 70200-003.

Fonte: ANTT

Transnordestina em construção, mas ritmo é lento

29/06/2013 - Globo Rural

Obras da Transnordestina na região do Araripe, em Pernambuco

Uma linha férrea fundamental para ampliar e conectar a malha logística do nordeste entrou o ano de 2013 em ritmo ainda mais lento. Executada pela TLSA (Transnordestina Logística, ligada à CSN), com financiamento do governo federal, a obra da Transnordestina tinha previsão de conclusão para 2014, mas atingiu até o momento pouco mais de 35% de conclusão e pode ficar para 2016.

O orçamento da ferrovia, que sofreu uma recente revisão, é atualmente de R$ 7,5 bilhões. O projeto prevê a implantação 1.728 quilômetros de trilhos ligando as cidades de Eliseu Martins (PI) e Salgueiro (PE), com dois braços ligando os portos de Pecém (CE) e de Suape (PE).

O objetivo, de acordo com o Governo Federal, é favorecer o transporte de grãos, minérios e insumos agrícolas. "Estima-se a movimentação de cargas no entorno de 30 milhões de toneladas/ano, com predomínio de grãos produzidos na nova fronteira agrícola do sul do Piauí", diz a Sudene (Superintendência do Desenvolvimento do Nordeste).

A caminho de Fortaleza (CE), a reportagem de Globo Rural passou pelos canteiros de obras abertos entre as cidades de Ouricuri, Trindade e Araripina (PE) e acompanhou a movimentação de trabalhadores da empreiteira Odebrecht. A BR-316, em um trecho, estava parcialmente interrompida para a construção de um viaduto.

O ritmo lento dos trabalhos em todo o trecho é motivo de preocupação. Recentemente, uma fábrica de dormentes para a ferrovia teve sua produção interrompida em razão do estoque de materiais ser hoje muito maior do que a demanda nas linhas de frente da obra.

(Texto: Rodrigo Vargas / Foto: Marcelo Curia/Ed. Globo – de Araripina/PE)

Fonte: Globo Rural

Transnordestina em construção, mas ritmo é lento

29/06/2013 - Globo Rural

Obras da Transnordestina na região do Araripe, em Pernambuco

Uma linha férrea fundamental para ampliar e conectar a malha logística do nordeste entrou o ano de 2013 em ritmo ainda mais lento. Executada pela TLSA (Transnordestina Logística, ligada à CSN), com financiamento do governo federal, a obra da Transnordestina tinha previsão de conclusão para 2014, mas atingiu até o momento pouco mais de 35% de conclusão e pode ficar para 2016.

O orçamento da ferrovia, que sofreu uma recente revisão, é atualmente de R$ 7,5 bilhões. O projeto prevê a implantação 1.728 quilômetros de trilhos ligando as cidades de Eliseu Martins (PI) e Salgueiro (PE), com dois braços ligando os portos de Pecém (CE) e de Suape (PE).

O objetivo, de acordo com o Governo Federal, é favorecer o transporte de grãos, minérios e insumos agrícolas. "Estima-se a movimentação de cargas no entorno de 30 milhões de toneladas/ano, com predomínio de grãos produzidos na nova fronteira agrícola do sul do Piauí", diz a Sudene (Superintendência do Desenvolvimento do Nordeste).

A caminho de Fortaleza (CE), a reportagem de Globo Rural passou pelos canteiros de obras abertos entre as cidades de Ouricuri, Trindade e Araripina (PE) e acompanhou a movimentação de trabalhadores da empreiteira Odebrecht. A BR-316, em um trecho, estava parcialmente interrompida para a construção de um viaduto.

O ritmo lento dos trabalhos em todo o trecho é motivo de preocupação. Recentemente, uma fábrica de dormentes para a ferrovia teve sua produção interrompida em razão do estoque de materiais ser hoje muito maior do que a demanda nas linhas de frente da obra.

(Texto: Rodrigo Vargas / Foto: Marcelo Curia/Ed. Globo – de Araripina/PE)

Fonte: Globo Rural

Governo ES quer ligar portos capixabas à ferrovia Vila Velha - Rio de Janeiro

26/06/2013 - Folha Vitória

Projetos que contemplam a ligação de portos capixabas por meio de ramais com a Estrada de Ferro (EF-118), que tem como traçado inicial Vila Velha-Rio de Janeiro, serão apresentados nesta quinta-feira (27) pelas secretarias de Estado dos Transportes e Obras Públicas (Setop) e de Desenvolvimento Econômico (Sedes) à Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) em Brasília.

A implantação da Ferrovia EF-118, que cortará o Espírito Santo e terá ligação com o Estado do Rio de Janeiro, foi anunciada durante o lançamento do Programa de Desenvolvimento Sustentável (Proedes) - Integração Logística e faz parte das articulações do Governo do Estado. O investimento estadual é da ordem de R$ 3 bilhões para estimular o desenvolvimento de forma igualitária em todas as regiões capixabas.

Quanto às ferrovias, a maior parte dos recursos será destinada por meio do Governo Federal e da iniciativa privada, mas o Estado participa ativamente dos grupos técnicos que vão definir seus traçados. Além disso, tem condições de pleitear alterações e sugerir mudanças nos projetos.

O subsecretário de Logística de Transportes da Setop, Valdir Antônio Uliana, afirmou que o Espírito Santo irá pleitear a construção de ramais do Porto Norte Capixaba (Manabi), em Linhares, e do Porto Central, em Presidente Kennedy, até a EF-118. Aprovada a iniciativa serão muitos os benefícios para o Estado, desde a geração emprego e renda para as regiões envolvidas até ampliação do potencial capixaba para o comércio exterior.

"A ANTT irá reunir as opiniões, sugestões e contribuições de maneira geral para a confirmação do projeto, que deverá ser apresentado pela Agência na sexta-feira (28) durante reunião participativa, que será realizada em Vitória e aberta ao público. Esta medida é importante e interessa a todos. Os portos já têm projetos finalizados, hoje aguardam o licenciamento ambiental e logo serão implantados. Os ramais que estamos sugerindo vão movimentar a economia nas cidades e gerar vagas de emprego", disse o subsecretário. A subsecretária de Comércio Exterior e Relações Internacionais da Sedes, Mayhara Chaves também participará da reunião na ANTT nesta quinta-feira.

Eixo Ferroviário

Ligando um extremo a outro do país, a malha ferroviária é um importante canal de trânsito de cargas e representa a ampla oportunidade de exportação de produtos capixabas para o mercado internacional. Em negociação constante com o Governo Federal, o Espírito Santo conquistou uma de suas principais reivindicações e terá duas ferrovias de destaque em seu mapa, que representam investimento da ordem de R$ 24 bilhões, por meio das ferrovias EF 118 (Vila Velha – Rio de Janeiro).

Anunciadas pela presidente Dilma Rousseff são esperadas a construção da Estrada de Ferro (EF) 118 Vila Velha-Rio de Janeiro e da Estrada de Ferro (EF) 354 Campos-Goiás com extensão até Mato Grosso e futuramente ao Pacífico (Peru). As obras serão realizadas pela União em parceria com a iniciativa privada.

Ambas, quando prontas, vão promover o desenvolvimento em municípios do interior facilitando o transporte de cargas pesadas, o acesso a empreendimentos portuários e às rodovias estaduais. A meta é estimular negócios que envolvam os segmentos de siderurgia, de petróleo e gás, de agronegócios e das indústrias naval e metalmecânica com grandes cadeias produtivas fortalecendo alianças regionais.

Proedes - Integração Logística

Levar o desenvolvimento para todas as regiões e ser capaz de superar os desafios da economia nacional. Com este foco, o Governo do Espírito Santo lançou no mês de maio o Programa de Desenvolvimento Sustentável (Proedes) – Integração Logística. O maior investimento já realizado na área de logística reúne novas rodovias, instalação de aeroportos regionais, ferrovias e portos que vão ligar os capixabas ao resto do mundo. O investimento é da ordem de mais de R$ 3 bilhões.

Dentro do Integração Logística está sendo colocado em prática um conjunto de projetos para unir os modais de transporte, dentre eles o rodoviário, aeroportuário, ferroviário e portuário criando uma ligação do Espírito Santo com o Brasil e o mundo, tornando o Estado competitivo, eficiente e rentável. A estimativa é que tudo isso se torne realidade até 2020.

Fonte: Folha Vitória

Ferrovia para ligar Minas à Bahia é orçada em R$ 10,6 bilhões

27/06/2013 - Estado de Minas

O custo de implantação da ferrovia que ligará Belo Horizonte a Candeias, na Região Metropolitana de Salvador (BA), é de R$ 10,66 bilhões, segundo projeto de engenharia apresentado pela Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT). O trem deve possibilitar o escoamento de carga pelo Porto de Aratu. Os dois projetos ferroviários que cortam Minas (soma-se a esse a linha ligando Uruaçu, em Goiás, a Campos, no Rio de Janeiro) terão mais de R$ 30 bilhões dos R$ 91 bilhões de investimentos previstos na implantação de 10 mil quilômetros de trilhos. Os interessados na ferrovia podem encaminhar suas contribuições sobre o projeto até 19 de julho pelo site da agência reguladora ou pelo correio.

Foram estudadas três alternativas de traçado ligando os dois estados. Depois da definição dos percursos foi criada uma matriz na qual foram dadas notas com pesos diferentes para cada trecho. Na lista de elementos avaliados estão custo de implantação, prazo de execução, aspectos ambientais, características técnicas e captação da demanda. Os melhores resultados de cada subtrecho possibilitaram a elaboração de um quarto segmento.

Ou seja, o quarto trecho é o somatório dos melhores segmentos dos três primeiros, o que possibilitou a redução do custo em R$ 1,34 bilhão devido à diminuição do percurso em 41 quilômetros. Em Minas a ferrovia deve cortar 27 municípios (Santa Luzia, Pedro Leopoldo, Prudente de Moraes, Sete Lagoas, Curvelo, Montes Claros, Janaúba, entre outros), e 25 na Bahia. O trecho entre o Bairro Capitão Eduardo, em BH, e Sete Lagoas deve aproveitar o traçado existente, o que, além de reduzir custos, diminui consideravelmente o tempo de implantação. A expectativa é de que essa parte demore 18 meses para implantação, e o restante 44 meses.

Quase 200 obras de arte

O estudo contém dados para balizar a empreiteira durante a obra, como quantidade e localização e pontes, viadutos e túneis ferroviários e rodoviários, além de curvas e pátios de manutenção. Ao longo da ferrovia serão criados 191 obras de arte especiais (pontes e viadutos) para transpor cursos d'água e a cada 300 quilômetros deverá ser criado um pátio de manutenção. Tais construções devem garantir velocidade máxima de 80 quilômetros por hora para composições de carga. O percurso deve ser concluído em pelo menos 19 horas e 30 minutos, mas o tempo deve ser ainda maior se considerado que é preciso saber a velocidade média.

Em Minas, além desse trecho, está prevista a implantação da ferrovia Uruaçu (GO)–Campos (RJ). O prazo para envio de sugestões se encerra em 10 de julho. O traçado terá 1.706 quilômetros, cortando 55 municípios dos quais 41 estão em Minas, oito em Goiás, cinco no Rio de Janeiro e um no Distrito Federal. Ao todo, o custo de implantação previsto é de R$ 19,8 bilhões, se considerada o traçado mais barato dos quatro avaliados. O mais caro prevê investimento de R$ 28 bilhões.

Fonte: Estado de Minas