sexta-feira, 30 de maio de 2014

Governo pretende estender Ferrovia Norte-Sul

30/05/2014 - Valor Econômico

O ministro dos Transportes, César Borges, disse ontem, quinta-feira, que será iniciada a contratação dos estudos de engenharia para extensão da Ferrovia Norte-Sul. Os editais, que começarão a sair até 10 de junho, serão divididos em diferentes lotes do trecho entre Estrela do Oeste (SP) ao Porto de Rio Grande (RS).

O ministro informou que, após a entrega destes estudos, os projetos passarão por processo de "refinamento" técnico para que sejam submetidos à análise do Tribunal de Contas da União (TCU). Com o aval do órgão de controle, o governo poderá conceder os trechos à iniciava privada, conforme previsto no Programa de Investimentos em Logística (PIL).

Borges afirmou que a resistência e a desconfiança do setor privado com relação ao novo modelo de concessão já são menores. "Estão começando a despertar para o modelo, que começa a ser entendido", disse Borges, que concedeu entrevista depois de reunião com o secretário de Transportes dos Estados Unidos, Anthony Foxx.

O ministro disse que, diante do "interesse firme" demonstrado pelo setor privado, o governo deverá lançar a concessão da ferrovia de Nova Iguaçu (RJ) a Porto de Vitória (ES), logo após o primeiro trecho da lista que liga Lucas do Rio Verde (MT) a Campinorte (GO).

Segundo ele, já há empresas trabalhando nos estudos de engenharia da ferrovia que cortará os Estados do Rio de Janeiro e Espírito Santo, com interesse na movimentação de cargas dos portos da região – entre eles, o Terminal Portuário de Açu.

Lote para estudos de trechos ferroviários sai até junho

29/05/2014 - Agência Estado

O ministro dos Transportes, César Borges, disse nesta quinta-feira, 29, que o governo deve lançar até dia 10 de junho um novo lote para a contratação de estudos de engenharia de trechos ferroviários do Programa de Investimentos em Logística (PIL), que podem incluir parte da ferrovia norte-sul nos Estados da região Sul do País. De acordo com ele, a intenção do governo é soltar até três lotes para a contratação de novos estudos ainda este ano.

Além disso, Borges revelou que, devido ao interesse de investidores na ferrovia Rio-Vitória, esse deverá ser um dos próximos trechos a serem licitados pelo governo logo após a concessão da ferrovia entre Lucas do Rio Verde (MT) e Campinorte (GO). O ministro, no entanto, não deu um prazo para que ocorram esses leilões.

"Temos um grupo interessado no trecho Rio-Vitória que inclusive já avançou no projeto de engenharia. Vamos olhar esse projeto e, se for bom, vamos submetê-lo ao TCU (Tribunal de Contas da União) para depois levarmos à disputa por quem quiser no leilão", disse o ministro.

De acordo com o ministro, apesar de parte desses trechos não ter sido incluída no primeiro anúncio do PIL, todos farão parte do programa. Ele citou também interesse de grupos privados no trecho entre Maracaju (MS) e Paranaguá (PR). "O programa só vai andar se tivermos interessados porque não vamos fazer esses trechos com obras públicas. Estamos considerando tudo que for investimento em logística como parte do PIL", completou o ministro.

Sobre a Ferrovia Norte-Sul, Borges disse esperar que a interligação com a região Sul do País facilite o transporte de grãos do Centro-oeste para os produtores de proteína animal no Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul. Segundo ele, assim que forem contratados os estudos de engenharia para esses trechos, o prazo para apresentação dos projetos é de seis a oito meses.

Borges esteve reunido com o secretário de Transportes dos Estados Unidos, Anthony Foxx, na tarde hoje para tratar da formação de grupos de estudos de cooperação técnica entre os dois países na área. O secretário americano não deu declarações à imprensa.

sexta-feira, 23 de maio de 2014

Dilma inaugura trecho de 855 km da FNS

23/05/2014 - Revista Ferroviária

A presidenta Dilma Rousseff e o ministro dos Transportes César Borges inauguraram na manhã de ontem (22/05) o trecho de 855 quilômetros da Ferrovia Norte-Sul que liga as cidades de Palmas (TO) e Anápolis (GO). "Aqui se pode conectar todo o Brasil com o sistema ferroviário", disse a presidenta, que parabenizou, por meio de seu Twitter, 'todos os trabalhadores da Ferrovia Norte-Sul'.

A obra recebeu investimento de R$ 4,2 bilhões do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). Com um transporte inicial de 4 mil toneladas de minério de ferro, o uso da ferrovia possibilitará a redução dos custos de logísticos e melhorias nos serviços de transporte. O ministro dos Transportes, César Borges, lembrou a importância da chegada da ferrovia à Anápolis, considerada hoje um centro logístico para o País. "Há uma determinação política de desenvolver o país e fazer com que o modal ferroviário seja uma realidade na nossa economia", disse Borges.

O trecho de Palmas a Anápolis uni-se com o segmento de Palmas a Açailândia (MA), que está em operação desde 2007. No total, são 1.574 quilômetros de linha férrea do Maranhão até Goiás.

Com a inauguração do trecho, a FNS passará a ser ferrovia estruturadora do Sistema Ferroviário Nacional, que possibilita o acesso a vários portos e corredores de exportação. Com isso, a Valec antecipará a aplicação open access, que permite a utilização da ferrovia por diversos transportadores ferroviários, devidamente autorizados.

A FNS tem outro trecho em construção pela Valec, a Extensão Sul, que vai de Ouro Verde (GO), próxima a Anápolis, até Estrela d'Oeste (SP). O percurso, que tem 686 quilômetros, já tem 60% de execução física e previsão de conclusão para 2015.

No Programa de Investimentos em Logística (PIL), do Governo Federal, está previsto o trecho de Açailândia (MA) a Barcarena (PA), de 480 quilômetros; e, ao sul, o trajeto de Estrela D'Oeste (SP) a Panorama (SP), com 264 quilômetros de extensão.

quinta-feira, 15 de maio de 2014

EPL e governo argentino discutem integração ferroviária e hidroviária

01/04/2013 - Ministério dos Transportes

As duas partes decidiram intensificar os estudos preliminares para executar a ligação ferroviária entre Uruguaiana, no Rio Grande do Sul, e Buenos Aires.

A integração ferroviária e hidroviária entre o Brasil e a Argentina foi o tema da reunião de trabalho realizada entre o secretário de Transporte da República Argentina, Alejandro Ramos, e o presidente da Empresa de Planejamento e Logística, Bernardo Figueiredo. A reunião foi realizada na sede da EPL, em Brasília, com a presença de técnicos da empresa brasileira, da Secretaria de Transporte da Argentina e de diplomatas dos dois países.

As duas partes decidiram intensificar os estudos preliminares para executar a ligação ferroviária entre Uruguaiana, no Rio Grande do Sul, e Buenos Aires. Essa ligação possibilitará a articulação das redes ferroviárias do Brasil e da Argentina, chegando ao Paraguai, à Bolívia e ao Chile. Foi discutida também a possibilidade de desenvolver conjuntamente a hidrovia entre o Mato Grosso do Sul e o Rio da Prata, pelos rios Paraguai e Paraná. As duas delegações voltarão a se reunir em abril, em Porto Alegre.

Fonte: Ministério dos Transportes

segunda-feira, 5 de maio de 2014

Trem Expresso São Paulo atrai interesse de quatro grupos

03/05/2014 - Correio Popular de Campinas

Quatro empresas manifestaram vontade em investir no projeto que ligará Americana a São Paulo

Por Bruno Bacchetti
 
Quatro grupos estão interessados em assumir o projeto do trem regional, que irá ligar Americana até São Paulo, passando por Campinas e outras cidades da Região Metropolitana de Campinas (RMC) localizadas no trajeto.

Segundo o secretário estadual de Transportes Metropolitanos, Jurandir Fernandes, o edital para a licitação das obras será publicado ainda neste semestre. A estimativa é que a implantação do projeto tenha início em 2015, começando por Americana e com conclusão em 2019. O trem regional será construído através de uma Parceria Público Privada (PPP) e o custo ainda está sendo calculado pelo governo estadual.

"O governador tem nos cobrado para que o edital ocorra neste semestre, até 30 de junho. Quando começamos os estudos do trem regional havia um grupo sondando, hoje são quatro grandes grupos que estão acompanhando os estudos. A situação é muito mais interessante do que há cinco ou seis anos atrás. É lógico que o projeto é viável", disse Jurandir.

De acordo com Jurandir, os grupos interessados no projeto pretendem iniciar as obras por Americana, e na medida em que os trechos forem finalizados já entrarão em operação. Por isso, ele acredita que a ligação entre Campinas e Americana esteja pronta bem antes dos quatro anos previstos para a implantação total do trem.

"De Americana a Campinas e Jundiaí será utilizado o traçado já existente. De Jundiaí até São Paulo tem o trecho de serra e é mais complicado. Pode ocorrer de algum trecho se antecipar. Assim antecipa a arrecadação da receita tarifária e nós também pagaremos as contraprestações, o que é um grande ganho para a iniciativa privada", afirmou.

Atualmente, estão sendo analisados os custos totais da obra e também da operação a partir do momento em que o trem começar a funcionar. Além disso, é preciso analisar quem são os proprietários da terra por onde passará o trem e avaliar cada situação.

"Estamos definindo e contratando essas obras todas até o final do ano. Falta ver a posse de terra, são três ou quatro agentes que têm a propriedade de terra e tudo isso é um imbróglio. Estamos calculando qual é o montante a aportar e qual é o custo de operação anual", disse.

Americana

O prefeito de Americana, Diego De Nadai (PSDB) ficou animado com a possibilidade do trem regional começar a ser construído por Americana. Para ele, o transporte ferroviário de passageiros é o principal projeto de mobilidade urbana e irá beneficiar o tráfego de todas as cidades da região. "Esse projeto vai impactar todas as cidades da região. Nós todos sabemos que em vários países do mundo o principal meio de transporte é o trem. A população de Campinas e as cidades interligadas com certeza vão utilizar e isso vai impactar positivamente", destacou.

Fonte: Correio Popular de Campinas