segunda-feira, 20 de fevereiro de 2017

Ferrovia Goiânia-Brasília poderá sair do papel ainda em 2017

17/02/2017 - Jornal Opção

Por Marcelo Gouveia  Edição 2170

Governador anunciou que há investidores estrangeiros interessados em apostar na iniciativa e que licitação poderá ser lançada neste ano

“Imagine a gente entrar num trem aqui na Rodoviária de Goiânia e chegar no Centro de Brasília em 50 minutos a uma velocidade de 260 km/hora.” O projeto do trem ligando Goiânia a Brasília, idealizado e chamado de “sonho” pelo governador Marconi Perillo, pode estar perto de sair do papel.

Foi o que ele anunciou durante mais uma edição do Governador Responde, o bate-papo com internautas nesta sexta-feira, dia 17. Após uma reunião realizada nesta semana com o diretor geral da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), Jorge Bastos, em Brasília, Marconi ficou otimista sobre o assunto.

Na ocasião, ele teve acesso ao Estudo de Viabilidade Técnica Econômica e Ambiental do trem de passageiros no corredor Brasília/Anápolis/Goiânia, realizado pelo consórcio formado pelas empresas EGIS, LOGIT, JGP e Machado Meyer, concluído há dez dias. O processo demorou cinco anos devido a adequações técnicas por conta do porte da importante obra de mobilidade urbana.

“Eu comecei a discutir esse projeto em 2001, no meu primeiro mandato. Depois eu saí do governo, esse projeto esfriou. Na minha volta, em 2011, nós procuramos o governo federal, a Sudeco, ANTT e o Ministério dos Transportes e, aí, começamos de novo a colocar esse projeto de pé”, disse.

O desenvolvimento desse planejamento foi acompanhado pelo ex-presidente da ANTT e da Empresa Brasileira de Logística (EBE), Bernardo Figueiredo, um dos principais executivos responsáveis e designado pelo governador Marconi Perillo. O custo do projeto é estimado em R$ 9 bilhões. O plano de investimentos apresentado sugere a realização de uma Parceria Público-Privada para a construção da obra, com destaque para o baixo investimento público a ser executado pelos governos federal, de Goiás e do Distrito Federal.

“Nesta semana eu vi a última proposta de modelagem de engenharia e financeira e fiquei muito satisfeito porque o desembolso dos estados é mínimo e isso faz com que o projeto se viabilize. Vai depender agora apenas de termos empresas, consórcios nacionais ou estrangeiros interessados em entrar na licitação e realizar a obra”, avaliou.

O desembolso total do poder público, de acordo com o documento denominado Tomada de Subsídios, não ultrapassará R$ 2,9 bilhões, valor que será dividido entre o Estado de Goiás, o governo do Distrito Federal e a União. Os demais investimentos necessários serão feitos pela empresa que vencer a licitação para realizar o projeto executivo e a obra.

Já existem investidores árabes e chineses interessados em apoiar a iniciativa, adiantou Marconi. O primeiro aporte anual do Estado de Goiás e dos governos do DF e federal seria de R$ 6 milhões e o montante seria reduzido gradativamente ao longo de 30 anos. O último aporte seria de cerca de R$ 130 milhões por parte das empresas vencedoras da concorrência pública.

“Se tudo der certo neste ano, é possível, eu não estou prometendo, mas é possível que a gente possa ter o início desse grandiosíssimo projeto”, vislumbra. Ele destacou o quanto é importante perseverar e ter determinação para realizar um sonho, referindo-se aos esforços no sentido de dar continuidade ao projeto que irá “transformar completamente a realidade da região”.

Além do trem expresso, está previsto também um trem de transporte de passageiros que faça paradas ao longo do percurso entre Goiânia e Brasília nas cidades de Abadiânia, Alexânia e Samambaia. “É algo que eu não vou inaugurar como governador, mas estamos plantando todas as sementes e definindo todo o alicerce para que um dia, daqui cinco ou seis anos, os goianos possam estar mais próximos dos brasilienses e vice-versa”, comentou.

Nenhum comentário:

Postar um comentário