quarta-feira, 5 de agosto de 2015

Questão indígena e burocracia podem inviabilizar Ferrovia Litorânea (SC)

31/07/2015 - FIESC

Previsto para ficar concluído em outubro, o projeto da Ferrovia Litorânea pode atrasar devido à indefinição sobre a transposição da área indígena do Morro dos Cavalos, em Palhoça. O impasse pode inviabilizar financeiramente a ferrovia. O assunto foi debatido nesta quarta-feira (29) em reunião da Câmara de Assuntos de Transportes e Logística da Federação das Indústrias de Santa Catarina (FIESC). 

O presidente da Câmara e primeiro vice-presidente da FIESC, Mario Cezar de Aguiar, defendeu um reforço na mobilização da sociedade pela viabilização ferrovia. "Precisamos melhorar a comunicação entre os órgãos envolvidos na elaboração e na aprovação do projeto. Neste sentido, vamos convidar para uma nova reunião o DNIT, a FUNAI, o IBAMA e as empresas responsáveis para a elaboração do projeto", afirmou Aguiar. 

Pela proposta técnica, a ferrovia terá 245 quilômetros de extensão, passando em áreas próximas aos portos de Imbituba, Itajaí e São Francisco do Sul e se interligando à malha ferroviária nacional. Estimativas iniciais apontam para um custo de construção de R$ 2,4 bilhões, com prazo de conclusão em seis anos. A previsão de retorno do valor investido é para 12 anos. 

"Esta é uma obra fundamental para o Estado, e não apenas pelo interesse econômico. Ela diminuiria a sobrecarga da BR-101, reduzindo a emissão de poluentes e aumentando a segurança de quem viaja na rodovia. Precisamos encontrar com urgência uma solução que viabilize a obra", defendeu o industrial. 

Para evitar a travessia subterrânea da área indígena do Morro dos Cavalos, em Palhoça, na Grande Florianópolis, a FUNAI sugeriu três trajetos alternativos. Pelo projeto original, o trecho será transposto com um túnel, ao custo de R$ 230 milhões. Segundo cálculos do consórcio responsável pela elaboração do projeto, as alternativas propostas pela FUNAI elevariam o custo da transposição do Morro dos Cavalos para até R$ 16 bilhões, inviabilizando financeiramente a ferrovia. 

Segundo a FUNAI, ainda não foi realizado o estudo completo da questão indígena no projeto da ferrovia. Representantes do órgão alertaram que, além do Morro dos Cavalos, outras duas comunidades seriam potencialmente impactadas e poderiam levar a novos impasses: Praia de Fora e Cambirela, também em Palhoça, região da Grande Florianópolis. 

Importância da ferrovia -"Entendemos a Litorânea como via de escoamento de produção e insumo para todo o complexo industrial do Estado", afirmou Mario Dirani, diretor de Infraestrutura Ferroviária do DNIT. Ele destaca que, em conjunto com a Ferrovia da Integração (Leste-Oeste), a estrutura permitirá a conexão de um dos mais eficientes complexos portuários do país com a malha nacional, além de ser mais uma alternativa para a logística de suprimento e distribuição da produção industrial. Sua influência se estenderia às regiões Centro Oeste e Sul, além do Estado de São Paulo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário