sábado, 20 de setembro de 2014

Sistema ferroviário brasileiro tem alcance reduzido da malha e problemas de conexão

17/09/2014 - Agência CNT

Eliminação de gargalos, recuperação, duplicação e construção de ferrovias, além da construção de trens de alta velocidade, que elevariam a eficiência da matriz de transporte brasileira. Essas são algumas das sugestões que a CNT reuniu no documento "O que o Brasil precisa em transporte e logística" e entregou aos candidados à Presidência da República nessa segunda-feira (15). Somente em relação ao modal ferroviário, a CNT mapeou 213 projetos, com custo estimado de R$ 281,7 bilhões.

O documento reúne as principais demandas do setor de transporte e serve de apoio a demais tomadores de decisão, além de informar e nortear o cidadão brasileiro da situação de diversos segmentos do setor.

Ferrovias no Brasil

De acordo com as características físicas e econômicas do país, o modal ferroviário possui aspectos que lhe proporcionam grande eficiência no transporte de grandes volumes em longas distâncias e, assim, é um meio de transformação com importante papel estratégico na composição da matriz. Apesar disso, ele se mostra pouco abrangente no Brasil e carece de significativos e continuados investimentos.

Com 28.190 km de ferrovias, o país tem uma baixa densidade de infraestrutura ferroviária e problemas de conexão, pois, do total, 22.219 km dos trilhos têm bitola métrica (1 m), 5.461 km são de bitola larga (1,60 m) e 510 km têm bitola mista. Essa falta de uniformidade mostra um problema de planejamento do transporte que eleva o custo da operação e o tempo demandado no deslocamento.

Além do reduzido alcance da malha e dos problemas de conexão, a CNT identificou outros entraves ao desenvolvimento do sistema: baixa integração com os modais rodoviário e aquaviário, invasões das faixas de domínio, passagens em nível crítico, elevada carga tributária na operação, burocracia relacionada às questões do passivo da Rede Ferroviária Federal S.A. (RFFSA) e a possibilidade de coexistência de dois marcos regulatórios, o que poderá dificultar a operação do sistema.

Apesar das dificuldades, o modal apresentou significativo crescimento após as concessões realizadas na década de 1990. A produção de transporte em TKU (Toneladas-quilômetro Útil), por sua vez, foi de 297,4 bilhões em 2013, o que representa um aumento de 63,8% quando comparado ao ano de 2003. No mesmo período, o número de acidentes teve uma redução de 61%.

Fonte: Agência CNT de Notícias
Publicada em:: 17/09/2014

Nenhum comentário:

Postar um comentário