terça-feira, 23 de outubro de 2012

Projeto nota 10

23/10/2012 - Revista Ferroviária

Paulo Passos, Bernardo Figueiredo e Marcos Lutz conversam na inauguração do terminal de Itirapina (SP)
Ainda falta construir a cobertura dos navios em Santos, para embarcar açúcar em dias de chuva, e duplicar 180 km de linhas no planalto paulista. Mas com a inauguração, nesta segunda-feira (22/10), do terminal concentrador de Itirapina, entre Rio Claro e Araraquara, o projeto da Rumo Logística está quase concluído. Em 2013, perto de 9 milhões de toneladas de açúcar de 100 usinas paulistas chegarão a Santos de trem, o que ainda pode crescer, dependendo da safra. Em 2014, o projeto deve estar completado, com o transporte de 11 milhões de toneladas por ferrovia.

Em Itirapina, ficou claro que a empresa está olhando mais além. "Podemos sim replicar este modelo com outras cargas", disse Marcos Lutz, diretor presidente da Cosan, a cooperativa de usinas que controla a Rumo. Hoje, as 50 locomotivas e os 729 vagões, sendo 229 a caminho, já transportam soja e milho na entressafra da cana. "Podemos inclusive ser operadores ferroviários no futuro", diz ele. No grupo, presidido por Rubens Olmeto, e que compreende a Raizen, a Cosan Lubrificantes e a Radar Propriedades Agrícolas, já se fala em Cosan Infraestrutura.

Exemplo

Presente na inauguração, Bernardo Figueiredo, presidente da recém criada EPL, usou o caso bem sucedido da Rumo para dar um recado aos empresários:

"A Rumo pode servir de exemplo para outras empresas que, como a Cosan, não se conformam com a insuficiência em logística e partem para soluções próprias, ou se associam com as operadoras ferroviárias existentes". No caso, a associação foi com a ALL, que opera o projeto, sob o controle atento de Julio Fontana, presidente da Rumo.

Na entrevista coletiva que antecedeu na inauguração, Julio e Marcos disseram que a negociação para a compra da maioria das ações do grupo de controle da ALL está avançando e pode estar concluída até o final deste ano: "os sócios estão conversando – disse Marcos – e nós mantemos a proposta feita no início do ano".

Com a maturação do projeto, em 2014, perto de 80 % do açúcar de exportação chegará a Santos de trem, reproduzindo e indo além do que aconteceu com a soja na década passada, da qual 60 % chega hoje a Santos de trem. Com a transferência do açúcar, já no ano que vem, 1 mil viagens de ida e volta de caminhões pesados deixarão de ser feita nas estradas paulistas. Além do ganho ambiental, as usinas já estão se beneficiando de uma redução considerável do frete, que, conforme a distância, vai de 15 a 30 % no valor, segundo Julio Fontana.

Também presente da inauguração, o ministro dos Transportes, Paulo Sergio Passos, chamou a atenção para o abandono da malha e para a expectativa que os clientes e futuros operadores independentes venham a reparar isso:

"Temos 29 mil km de linhas, dos quais pouco mais de 10 mil km são utilizados intensamente. Nós podemos mudar isso. Já estamos trabalhando para tirar do papel o Plano de Investimento em Logística anunciado pela presidenta Dilma. Nosso Bernardo Figueiredo está arrancando os cabelos – apesar dos galos – para por o programa de pé."

Também presente na inauguração do terminal de Itirapina o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin; o diretor geral da ANTT, Ivo Borges, e o secretário de Desenvolvimento da Fazenda, David Siegelman.




Notícias Relacionadas
Rumo inaugura terminal no interior de São Paulo
Cumbica: trem ficará longe de terminais
Artigo: Ferrovias: qual é o rumo para o setor no Brasil?


Comentários
23/10/2012 - Comentário de José Balan Filho -

Uma notícia como essa é um alento, um sinal de que definitivamente, e sem trocadilho, as coisas começam a andar nos trilhos.
O atual "status quo" não é mais suportável, e somente os trens, inclusive de passageiros, poderão dar um novo dinamismo ao setor e desfazer esse nó que existe no nosso sistema de transporte.



Enviado via iPhone

Um comentário:

  1. ”Alternativa tecnicamente melhor entre Anápolis-GO e Panorama-SP de expansão e trajeto da ferrovia Norte Sul EF-151.”

    1ª fase Interligar a ferrovia N/S em GO com a FCA existente passando pelas cidades de Araguari, Uberlândia, Uberaba-MG que hoje se encontram operando somente em bitola métrica, com a implantação de bitola mista, até o ponto que se encontram com a bitola larga em Campinas-SP.

    2ª fase Interligar em linha paralela com a N/S passando por Anápolis, Itumbiara-GO, Monte Alegre de Minas, Prata e Frutal-MG e adentrando pelo centro norte de SP na cidade de Colômbia, e seguindo por Barretos, Bebedouro, Jaboticabal, até Araraquara -SP, por uma ferrovia existente já em bitola 1,6 m, ambos os trajetos (fases) como função de linhas troncos.

    Fica aí já definida uma potencial rota para trens regionais de passageiros de médio e longo percurso São Paulo - Brasília, passando por muitas destas cidades citadas entre outras, além de um trajeto coerente para cargas, (dupla função) com o fator de sazonalidade igual a zero.

    Ligação MG com o porto da Bahia via Pirapóra, utilizando parte de trechos desativados no passado pela RFFSA.

    Ramal de ligação do município de Lucas do Rio Verde-MT a Uruaçu-GO interligando com a N/S.

    Ramal de ligação de Bacarena / Belém-PA a Açailândia / São Luís-MA ~450 km interligando com a N/S, para navegação de cabotagem EF-151.

    Ligação de Porto Murtinho-MS a Panorama-SP ~750km e a partir daí interligando com a N/S, pelo interior de São Paulo até Colômbia por ferrovia existente com a N/S, EF-151.

    Não coloquei como prioridade 0ª fase a urgência da entrada em operação do trecho pronto da N/S que de tão obvio se torna um absurdo estas providencias.

    A maior parte destas propostas é a de se utilizar ao máximo os trechos ferroviários existentes que se encontram desativados ou subutilizados, e os trechos novos complementares se limitam a;

    1-Ligação fer. N/S Anápolis / Itumbiara-GO Colômbia-SP ~380 km.
    2-Ramal de ligação do município de Lucas do Rio Verde-MT a Uruaçu-GO interligando com a N/S.
    3-Ramal de ligação de Bacarena-PA ao Açailândia-MA ~450km para navegação de cabotagem interligando com a N/S.
    4-Ligação de Porto Murtinho-MS a Panorama-SP ~750km interligando com a N/S, EF-267 pelo interior de São Paulo por ferrovia existente, que já se encontram interligadas com a N/S em Araraquara.

    Notas:
    Iª Com estas propostas ficam suprimidos os trechos Anápolis-GO / Estrela do Oeste –SP ~2255 km e Estrela do Oeste / Panorama-SP ~ 160 km.
    IIª Define a cidade de Panorama-SP de onde deve partir rumo ao Rio Grande do Sul da continuação da fer. N/S.

    Este texto se complementa com o "Como conseguir 700 km de ferrovia a custo mínimo" de Paulo Roberto Filomeno

    ResponderExcluir