sábado, 22 de setembro de 2012

Hortolândia investe em qualificação para expandir polo ferroviário

20/09/2012 - G1

O polo ferroviário do município é formado por dez empresas

Os empresários de Hortolândia querem ampliar os investimentos em capacitação profissional, após o governo federal lançar um pacote de concessões de ferrovias e rodovias que prevê aplicação de R$ 133 bilhões.

O polo ferroviário do município é formado por dez empresas, que empregam cerca de quatro mil funcionários – quantidade três vezes maior do que foi registrado em 2009. Segundo o presidente da Associação Brasileira da Indústria Ferroviária, Vicente Abate, o aumento na quantidade de empregos deve ocorrer no prazo de dois anos.

Metade dos profissionais do segmento estão na maior fábrica de vagões de carga do país, que recruta todo ano 20 jovens de famílias de baixa renda. Durante 12 meses, eles recebem treinamento para exercer as funções de operação de produção e montagem metalúrgica.

"Agora quero fazer faculdade e tentar crescer dentro da empresa", diz o funcionário Hiago Viana. Ele trocou um trabalho informal por um emprego com registro na carteira profissional e salário de R$ 1,3 mil.

O "Plano Nacional de Logística: Rodovias e Ferrovias" vai destinar R$ 91 bilhões para a construção de 10 mil quilômetros de ferrovias, enquanto que os R$ 42 bilhões restantes serão aplicados na melhoria, duplicação e manutenção de 7,5 mil quilômetros de rodovias.

Fonte: G1

20/09/2012 - G1

O polo ferroviário do município é formado por dez empresas

Os empresários de Hortolândia querem ampliar os investimentos em capacitação profissional, após o governo federal lançar um pacote de concessões de ferrovias e rodovias que prevê aplicação de R$ 133 bilhões.

O polo ferroviário do município é formado por dez empresas, que empregam cerca de quatro mil funcionários – quantidade três vezes maior do que foi registrado em 2009. Segundo o presidente da Associação Brasileira da Indústria Ferroviária, Vicente Abate, o aumento na quantidade de empregos deve ocorrer no prazo de dois anos.

Metade dos profissionais do segmento estão na maior fábrica de vagões de carga do país, que recruta todo ano 20 jovens de famílias de baixa renda. Durante 12 meses, eles recebem treinamento para exercer as funções de operação de produção e montagem metalúrgica.

"Agora quero fazer faculdade e tentar crescer dentro da empresa", diz o funcionário Hiago Viana. Ele trocou um trabalho informal por um emprego com registro na carteira profissional e salário de R$ 1,3 mil.

O "Plano Nacional de Logística: Rodovias e Ferrovias" vai destinar R$ 91 bilhões para a construção de 10 mil quilômetros de ferrovias, enquanto que os R$ 42 bilhões restantes serão aplicados na melhoria, duplicação e manutenção de 7,5 mil quilômetros de rodovias.

Fonte: G1



Enviado via iPhone

Nenhum comentário:

Postar um comentário