terça-feira, 21 de agosto de 2012

Ferroeste não consegue sair do buraco

20/08/2012 - Portos e Logística 

Os demonstrativos da Ferroeste, que opera o trecho ferroviário Cascavel-Guarapuava, dão conta de um prejuízo de R$ 13,2 milhões em 2011, 4,5% acima daquele registrado no ano anterior

Parece notícia velha, mas não é. Desde 2009, a Ferroeste acumula prejuízos e vê sua produção e faturamento caírem cerca de 20% ao ano. E as chances do quadro se reverter a partir de investimentos federais estão praticamente extintas. O chamado “PAC das Concessões”, anunciado nesta semana, ignorou qualquer plano de extensão ou modernização da ferrovia paranaense, mostrando que a estatal não tem qualquer expressão no planejamento do transporte ferroviário integrado do país. Dos 12 trechos do pacote, dois cortam o Paraná, mas passam longe da Ferroeste e de forma bastante diferente: os novos trilhos terão bitolas largas, mais modernas, e não poderão ser ligados diretamente aos de bitola métrica, menor, da malha existente.

Os demonstrativos da Ferroeste, que opera o trecho ferroviário Cascavel-Guarapuava, dão conta de um prejuízo de R$ 13,2 milhões em 2011, 4,5% acima daquele registrado no ano anterior. Os dados do primeiro semestre deste ano não estão disponíveis, nem no portal de Gestão do Dinheiro Público do governo estadual, nem nos controles da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) – os atuais diretores da empresa também não quiseram conversar com a Gazeta do Povo sobre a situação da sociedade de economia mista, nem sobre as perspectivas até o fim de 2012. Balanços anteriores e analistas, no entanto, são claros em apontar que a Ferroeste não sairá do buraco sem um aporte financeiro que viabilize o mínimo de investimento em frota própria e recuperação (e até ampliação) da malha existente.

Faltam locomotivas
O homem escolhido por Beto Richa para comandar a estatal, Maurício Theodoro Querino, abandonou o trem. Querino (PSDB) vai concorrer como vice de Edgar Bueno (PDT) à prefeitura de Cascavel, com o apoio de Richa. Ele foi o braço direito do atual governador na Região Oeste do estado quando da campanha eleitoral de 2010.

Com locomotivas alugadas – nenhuma das sete máquinas atualmente disponíveis pertence à Ferroeste – e uma malha limitada – que depende da passagem pelos trilhos federais concedidos à   América Latina Logística (ALL) e também da locação de vagões –, a empresa não consegue dar conta de escoar a produção paranaense até o Porto de Paranaguá. Só a Coopavel – cooperativa agroindustrial com sede em Cascavel – precisaria de 166 vagões por dia para transportar sua produção, mas a média disponível hoje é de 20 vagões diários, apenas.

Quando assumiu a empresa, Querino disse, em entrevista à Gazeta do Povo, que apostava nas parcerias público-privadas e no aumento do volume transportado para reverter o histórico de déficits da ferrovia. A produção da Ferroeste, no entanto, vem caindo desde 2009 e não mudou de curva após o novo governo. De 971,8 mil toneladas úteis transportadas (medida não inclui o peso de máquinas e vagões) em 2010, o volume que passou pela ferrovia em 2011 foi de 717,5 mil toneladas úteis.

Compra de máquinas está atrasada

Autorizada pelo governo estadual em dezembro de 2011, a compra de cinco locomotivas remanufaturadas foi colocada em prática apenas neste ano. Os dois editais lançados, porém, terminaram desertos. Com a anuência da Casa Civil e do Tribunal de Contas do Estado, a empresa tenta agora adquirir as máquinas por meio de compra direta, mas será difícil encaixar a encomenda no recurso aportado pela Fomento Paraná, uma das acionistas da empresa – no valor máximo de R$ 8 milhões – diante do aumento do dólar. Quando anunciada a compra o dólar estava em R$ 1,69, hoje passa dos R$ 2.

As locomotivas representam um passo importante para a ferrovia colocar as contas nos eixos. Delas dependem até mesmo contratos recentes, de cessão de área, assinados com a Cotriguaçu (união de quatro cooperativas do Oeste do estado) e a AB Agrobrasil.

Ambas estão usando espaços cedidos pela empresa no terminal de Cascavel para construir centros de armazenamento e transbordo logístico. No transporte logístico o que importa é a tração. Os vagões até podem vir da iniciativa privada. “Se o próprio governo do estado não tem capacidade de investimento, o que parece ser o caso, precisa pleitear aporte federal, mas tem de resolver”, opina o assessor econômico e técnico da Federação da Agricultura do Estado do Paraná (Faep) Nilson Hanke Camargo.

Com informações da Gazeta do Povo (PR)

Nenhum comentário:

Postar um comentário