domingo, 1 de julho de 2012

Para colocar o Sul nos trilhos

20/06/2012 - Jornal Amanhã

Governo Federal anuncia investimento de R$ 33 bilhões em rodovias da Região Sul até 2025. Acesso a portos é prioridade

Por Pedro Pereira

Até 2025, o Governo Federal deverá investir R$ 200 bilhões na malha ferroviária nacional, que passará dos atuais 29 mil quilômetros para 40 mil quilômetros. Desse montante, R$ 33 bilhões serão destinados à Região Sul, onde a prioridade é facilitar o acesso aos quatro principais portos: Paranaguá (PR), Itajaí (SC), São Francisco do Sul (SC) e Rio Grande (RS). A chamada “ferrovia do frango”, no oeste catarinense, também está na mira do governo.

Dependendo fundamentalmente da vinda de milho da região Centro-Oeste do país para a alimentação dos animais, a cadeia de aves e suínos de Santa Catarina é a principal interessada na ativação de linhas e terminais ferroviários. “A cada ano fica pior e mais caro trazer milho do Brasil central. São cerca de 2,5 milhões de tonelada anuais. Se colocarmos em fila a quantidade necessária de carretas para trazer todos os grãos, vai daqui ao Rio de Janeiro”, compara Mário Lanznaster, presidente da Coopercentral Aurora, com sede em Chapecó (SC). Ele garante que o custo da produção de suínos também é afetado diretamente.

Lanznaster lamenta o fato de que muitas empresas acabam migrando para as regiões onde a produção do grão é farta, de modo a eliminar o custo do transporte. A própria Aurora é um exemplo disso, pois já abriu uma unidade de produção em São Gabriel do Oeste, no Mato Grosso do Sul. O presidente da Aurora lembra que, há algum tempo, Santa Catarina buscava os grãos em Francisco Beltrão, Pato Branco ou Cascavel, no Paraná. Quando a produção passou a abastecer quase que exclusivamente o mercado paranaense, partiu para comprar no Paraguai. Não sendo suficiente, os produtores subiram até Dourados e São Gabriel do Oeste, no Mato Grosso do Sul. Hoje, a busca já está no Mato Grosso. “Desse jeito vamos buscar milho no Maranhão ou Piauí”, ironiza Lanznaster, que vê três alternativas no horizonte dos produtores catarinenses: “Podemos encolher, ir lá pra cima ou ter uma ferrovia”, sentencia.

O Conselho de Infraestrutura da Federação das Indústrias do Estado do Paraná (FIEP) foi procurado pela redação de AMANHÃ para comentar o reflexo dos investimentos ferroviários na atividade econômica e, principalmente, portuária da região. No entanto, por entender que ainda não há uma definição sobre as cifras e um cronograma de obras, preferiu não se manifestar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário