segunda-feira, 4 de junho de 2012

Ampliação da Ferroeste será tema de audiência pública

04/05/2012 - Redação Bonde com assessoria de imprensa

Para o deputado André Bueno (PDT), presidente da Comissão que promove a audiência, este encontros servem de parâmetro para os trabalhos futuros.

A Comissão de Indústria e Comércio da Assembleia Legislativa realizará no próximo dia 21 de junho, a partir das 19 horas, na sede da Associação Comercial e Industrial de Cascavel – AECIC, audiência pública com o objetivo aprofundar as discussões sobre o tema "A Ferroeste e o Cooperativismo", assunto que vem sendo discutido em nível nacional com o Plano Nacional de Logística, que será lançado nos próximos dias, e também com a ampliação da ligação ferroviária de Paranaguá até Maracajú (MS).

Para o deputado André Bueno (PDT), presidente da Comissão que promove a audiência, este encontros servem de parâmetro para os trabalhos futuros. "Estas audiências são portfólios de projetos, de oportunidades, que indicam o que é preciso fazer. Por isso a importância da participação de toda a comunidade." Foram convidados para compor a mesa de discussão o secretário de Infraestrutura e Logística do Paraná, José Richa Filho; o presidente da Ferroeste, Mauricio Querino Theodoro; o reitor da Unioeste, engenheiro Paulo Sérgio Wolff; além do presidente da Coopavel, Dilvo Grolli. Todas as cooperativas da região estarão presentes no encontro. As faculdades e universidades de Cascavel também foram convidadas para participar do debate. Os acadêmicos presentes receberão certificados com carga horária de 4 horas extracurriculares.

Ampliação

André Bueno lembra que a ideia de ampliar a Ferroeste até Maracajú (MS) é antiga – estava prevista antes mesmo da inauguração do trecho Cascavel - Guarapuava, em 1994, mas nunca chegou a avançar, ora por falta de recursos, ora por divergências entre os governos estadual e federal. Além de agregar à Ferroeste parte da produção sul-matogrossense de grãos, a expansão contornaria os gargalos existentes no trecho Ponta Grossa - Paranaguá, administrado pela América Latina Logística (ALL), que limitam a capacidade de transporte entre o interior e o principal porto do estado.

O projeto voltou a ser discutido ainda no ano passado, em reuniões entre os governadores do Paraná e de Mato Grosso do Sul, que levaram a proposta ao governo federal. Como o estado não tem dinheiro para bancar a ampliação da Ferroeste, os governadores apontam a possibilidade de que a obra seja paga pela Valec, estatal federal responsável pela construção e exploração de infraestrutura ferroviária. Em troca, a Valec elevaria sua participação acionária na Ferroeste, hoje de 0,0028%. Com a ampliação a Ferroeste passa dos atuais 248 quilômetros para 1.116 quilômetros.

Nenhum comentário:

Postar um comentário