domingo, 22 de abril de 2012

Presidente da Valec garante ferrovia para Campo Mourão

20/04/2012 - Paranashop

O traçado por Campo Mourão é o mais adequado porque está mais perto da Argentina, o que interessa à integração logística do Mercosul,

Na quarta-feira (18) pela manhã, o presidente da AREA-CM (Associação Regional de Engenheiros e Arquitetos de Campo Mourão), engenheiro civil Julio Campanha, esteve reunido junto com o deputado Rubens Bueno, e com o presidente da Associação Comercial e Industrial de Campo Mourão, Marcelo Chiroli,em Brasília, em uma reunião com o presidente da Valec-Engenharia, Construções e Ferrovias S.A., José Eduardo Castello Branco. A Valec é a empresa do governo vinculada ao Ministério dos Transportes e responsável pela construção de ferrovias no País.

Na pauta do encontro, a apresentação em detalhes sobre o EBDR-Estudo Básicos de Desenvolvimento Regional da centralidade de Campo Mourão, que tem como a implantação de uma ferrovia na região para melhorar o escoamento da produção para o Porto de Paranaguá.

Na audiência, Castelo Branco garantiu que o traçado do trecho sul da Ferrovia Norte-Sul passará por Campo Mourão (PR), pondo fim às especulações de que a rota seria feita por outros municípios paranaenses. "O traçado por Campo Mourão é o mais adequado porque está mais perto da Argentina, o que interessa à integração logística do Mercosul", afirmou o presidente da Valec.

De acordo com o presidente da AREA-CM, o resultado da reunião foi muito positivo, uma vez que a Valec se comprometeu a relançar nos próximos dias o edital para contratação do EVTEA (Estudo de Viabilidade Técnica, Econômica e Ambiental) para elaboração do traçado da ferrovia Norte-Sul. "Após a contratação da empresa licitada, o presidente da Valec disse que irá à Campo Mourão para um Fórum de debates sobre a ferrovia e o melhor traçado", disse Campanha, informando que a previsão para a realização deste Fórum é agosto deste ano.

Nos próximos dias será lançado o Edital para a realização do estudo da viabilidade técnica, econômica e ambiental (EVETEA) para a construção do trecho Panorama (SP), Campo Mourão, Laranjeiras do Sul, Pato Branco, Chapecó (SC) e Rio Grande (RS), uma extensão de 1,6 mil km.

A região de Campo Mourão e redondezas é predominantemente agrícola e tem no plantio de soja e milho seus principais produtos, além de abrigar a Coamo, maior cooperativa do Brasil e do mundo. Apesar disso, enfrenta limitações para o escoamento da produção e dos produtos industrializados, uma vez que as estradas não são duplicadas e não há outros meios de transporte. "Este resultado representa mais uma conquista do programa Agenda Parlamentar, do CREA-PR e de todas as entidades de classe participantes", finaliza o presidente do CREA-PR, engenheiro civil Joel Krüger.

Sobre o EBDR

Elaborado em conjunto pela AREA-CM e CREA-PR, dentro das ações da Agenda Parlamentar, o estudo parte do princípio que o modal ferroviário oferece diversas vantagens em ao rodoviário, como a redução do custo do transporte entre os portos e as unidades produtoras localizadas no interior do País.

Segundo o EBDR, o Brasil precisará investir nos próximos anos para reduzir cada vez mais o custo com transporte, de forma a garantir que suas mercadorias mantenham preços competitivos no mercado internacional.

Nenhum comentário:

Postar um comentário