domingo, 11 de março de 2012

Trecho de 71 km da Norte-Sul foi concluído em 2011

10/03/2012 - Pantanal News


Outros 3 mil km de ferrovias estão em construção

Em dezembro de 2011, foi concluído um lote de 71 km do trecho sul da Ferrovia Norte-Sul, entre os pátios de Santa Isabel e de Jaraguá. Esses trilhos ficam no trecho de Uruaçu (GO) a Anápolis (GO), que já tem 98% das obras executadas. O trecho de Palmas (TO) a Uruaçu já tem 91% concluídos. Outros 3.071 km de ferrovias têm obras em andamento: são mais 1.298 km da Norte-Sul, 874 km da Nova Transnordestina e 260 km da Ferronorte.

A Ferrovia Norte-Sul terá, quando concluída, 3.100 km de extensão. Já estão em operação comercial 720 quilômetros entre as cidades de Palmas (TO) e Açailândia (MA), onde se conecta à Estrada de Ferro Carajás, permitindo o acesso ao Porto de Itaqui, em São Luís.

O trecho ferroviário ligando as cidades maranhenses de Estreito e Açailândia, num total de 215 km, já está concluído e em operação comercial desde 1996.

Para os 350 km que separam o pátio de Palmas/Porto Nacional da divisa dos Estados de Goiás e do Tocantins, assim como os 220 até Uruaçu, a previsão da conclusão das obras é para meados de 2012. O mesmo ocorre com relação ao trecho de 280 km entre Uruaçu e Anápolis, cujas obras estão em fase de conclusão. Sua construção obedecerá aos padrões mais modernos do sistema ferroviário, com o assentamento de dormentes de concreto, para o emprego de bitola mista.

O volume de carga transportado pelos trilhos da Ferrovia Norte-Sul tem alcançado, anualmente, um aumento expressivo, atingindo o patamar de 4,9 milhões de toneladas desde o início da operação comercial. O escoamento da produção pela ferrovia representa para o produtor local uma redução no custo do frete calculada em torno de 30% em relação ao praticado pelo modal rodoviário.

A Ferrovia Norte-Sul foi projetada para promover a integração nacional, minimizando custos de transporte de longa distância e interligando as regiões Norte e Nordeste com Sul e Sudeste, através das suas conexões com 5 mil quilômetros de ferrovias privadas.

A integração ferroviária das regiões brasileiras será o grande agente uniformizador do crescimento auto-sustentável do país, na medida em que possibilitará a ocupação econômica e social do cerrado brasileiro - com uma área de aproximadamente 1,8 milhão de km2, que corresponde a 21,84% da área territorial do País, onde vivem 15,51% da população brasileira - ao oferecer uma logística adequada à concretização do potencial de desenvolvimento dessa região, fortalecendo a infra-estrutura de transporte necessária ao escoamento da sua produção agropecuária e agro-industrial.

Transnordestina - Para potencializar o transporte de cargas no Nordeste ao interligar os estados de Pernambuco, Ceará e Piauí por meio dos seus 1.728 quilômetros de trilhos, a ferrovia Transnordestina conta com 25 frentes de trabalho, onde estão empregadas mais de 10 mil pessoas. A estrada de ferro irá dos portos de Suape (PE) e Pecém (CE) e à cidade de Eliseu Martins (PI).

Os dormentes, fabricados no canteiro industrial, situado em Salgueiro (PE), onde a produção é de aproximadamente 4,8 mil peças por dia (é a maior fábrica de dormentes do mundo). Para a conclusão da obra serão necessárias 3 milhões de peças.

O canteiro conta, ainda, com uma usina de britagem, responsável pela produção diária de 5 mil metros cúbicos de brita. As pedras maiores compõem o lastro da ferrovia e as menores sustentam o colchão elástico responsável por apoiar os dormentes.

Nenhum comentário:

Postar um comentário