sexta-feira, 20 de maio de 2011

Em audiência pública, IBAMA e ALL apresentam futuro terminal à população de Rondonópolis

18/05/2011 - ExpressoMT

Na apresentação foram mostradas curiosidades do Projeto Expansão Malha Norte, assim como os pátios de cruzamento que terão a extensão de 2,5 quilômetros

Aproximadamente 450 pessoas compareceram a audiência pública em Rondonópolis, convocada pelo IBAMA (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais), para tratar de assuntos referentes a licença ambiental do terceiro segmento do Projeto Expansão Malha Norte, da ALL - América Latina Logística, que visa a extensão da ferrovia em Mato Grosso. A audiência foi realizada na terça-feira à noite (18.05), na União Rondonopolitana das Associações de Moradores de Bairro (URAMB).

Os representantes da ALL na audiência, Sildomar Tavares, Thiago Fiori e Renata Ramalho, apresentaram todos os detalhes da ferrovia que ligará Itiquira a Rondonópolis e dados da futura instalação do terminal, que se localizará a 28 km do centro da cidade.

Após a apresentação, o superintendente do IBAMA, Ramiro Martins Costa, abriu a audiência para os questionamentos do público, formado por diversos segmentos sociais, como universitários, autoridades locais, regionais e federais, imprensa e outros. Ramiro considerou a audiência válida para a licença prévia das obras. O documento, segundo ele, deverá ser emitido em breve.

Na apresentação foram mostradas curiosidades do Projeto Expansão Malha Norte, assim como os pátios de cruzamento que terão a extensão de 2,5 quilômetros. O terminal possuirá quatro tulhas ferroviárias dinâmicas, com capacidade estática de 1.500 toneladas/hora. Haverá também área destinada à limpeza de vagões e um pátio, pavimentado, para 1.200 caminhões.

Conforme a Companhia Ambiental, empresa contratada pela ALL para os serviços relacionados ao Meio Ambiente, na ausência da implantação do novo trecho de linha férrea em Mato Grosso, não seria possível evoluir no transporte de cargas na região, pressão sobre a infraestrutura das vias existentes, com restrições que reduzem o desempenho e elevam os riscos de acidentes. Foram feitas também comparações entre a logística viária e ferroviária, na qual se concluiu que o trem é uma forma ágil, econômica, com maior vida útil e ecologicamente correta. A Companhia Ambiental conta com 75 colaboradores em função no Projeto.

Nenhum comentário:

Postar um comentário