quarta-feira, 14 de julho de 2010

Leilão do TAV será 16 de dezembro


13/07/2010

O leilão do projeto do Trem de Alta Velocidade Rio-São Paulo-Campinas está previsto para ocorrer em 16 de dezembro de 2010, informou o diretor-geral da ANTT, Bernardo Figueiredo, hoje (13) durante a entrevista coletiva sobre o projeto, em Brasília (DF). O leilão será feito em São Paulo, na Bovespa.
O edital será publicado amanhã (14) no Diário Oficial da União e disponibilizado no site da ANTT.
A entrega das propostas está prevista para 29 de novembro. Coréia, Japão, França, Itália, Alemanha, Espanha, Canadá e China já declararam interesse pelo Trem de Alta Velocidade brasileiro. Existe a possibilidade de grupos de diferentes países se unirem para a concorrência.
O valor estimado de investimentos é R$ 33 bilhões, sendo R$ 23 bilhões para a obra e R$ 10 bilhões para material rodante, sistemas, entre outros. O valor total da obra é um risco do concessionário. O Governo disponibilizará um financiamento de R$ 19,9 bilhões, o restante ficará a cargo do concessionário.
O prazo para conclusão da obra é no máximo seis anos. “Se pensassemos em quatro anos estariamos excluindo os investidores que acreditavam não ser possível neste prazo. Por isso, estipulamos seis anos”, explicou Figueiredo.
O projeto prevê sete estações obrigatórias – Centro do Rio de Janeiro, Aeroporto do Galeão (RJ), Aparecida (SP), Guarulhos (SP), Centro de São Paulo, Aeroporto de Viracopos (Campinas - SP) e Centro de Campinas. E outras duas - Vale do Paraiba fluminense e Vale do Paraiba paulista – que o concessionário tem a possibilidade de alterar o local.
“Estamos escrevendo uma nova história do Brasil em infraestrutura”, enfatizou o ministro dos Transportes, Paulo Sérgio Passos.
Passos ressaltou que o projeto do TAV não está atrasado. “Não está atrasado porque não estamos falando deste projeto agora. São mais de 30 anos que se estuda esse projeto”, explicou o ministro.
O edital do TAV foi lançado hoje pela manhã, em Brasília, pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva; pelo ministro dos Transportes, Paulo Sérgio Passos; e pelo diretor geral da ANTT, Bernardo Figueiredo.
"Não foi uma tarefa fácil. Aqui ao lado tem uma sala de reunião, que é uma sala em que, muitas vezes, abriu-se o mapa, os documentos e as partes dos projetos do TAV, e aqui, muitas vezes, se pensou que era impossível fazer, se pensou que muitas empresas não queriam participar, se pensou que muitos países não queriam entrar. Aqui se discutiu que não ia aparecer ninguém. Eu, pessoalmente, tive oportunidade de ir às reuniões do G-8 conversar com o Embaixador do Japão... com o Primeiro-Ministro do Japão, com o Primeiro-Ministro da China, com o Presidente da Coreia, de conversar com o meu amigo Zapatero (José Luis Rodríguez Zapatero, presidente da Espanha), de conversar com o meu amigo Sarkozy (Nicolas Sarkozy, presidente da França), de conversar com um monte de gente, para tentar convencê-los de que o projeto do TAV, aqui no Brasil, era uma coisa séria e era uma coisa irreversível porque nós queríamos fazer. E acho que o Brasil precisa, e São Paulo e o Rio de Janeiro precisam porque são as duas cidades mais importantes do Brasil", destacou o presidente.
O presidente também destacou que “esse país tem uma sequência de eventos nesses próximos tempos que muitos países tem visto a mais tempo que nós e nunca tiveram” e que acredita ser “plenamente possível a gente inaugurar essas obras até 2016”.
Na ocasião também foi assinado o projeto de lei para a criação da Empresa de Transporte Ferroviário de Alta Velocidade S/A (ETAV), que será responsável pelo acompanhamento e monitoramente de todo o projeto, além de coordenar e intermediar a tranferência obrigatória de tecnologia.  O projeto de lei segue para o Congresso Nacional para votação e aprovação.

Nenhum comentário:

Postar um comentário